Saúde e Ambiente, incluindo Saúde do Trabalhador

Coordenadora: Tatiana Jorge Marrufo

- Médica formada pela Universidade Eduardo Mondlane

- Diploma em Saúde Pública pelo Instituto Superior de Ciências e Tecnologia de Moçambique (ISCTEM)  

- Contacto: 847774153

- E-mail: ttn.marrufo@gmail.com

 

A Saúde Ambiental (SA) aborda todos os factores físicos, químicos e biológicos externos ao indivíduo, e todos os relacionados a estes que afectam os comportamentos. No entanto, abrange a avaliação e controle dos factores ambientais que podem afectar a saúde. A Saúde ambiental destina-se a prevenir doenças e a criar ambientes favoráveis ​​à saúde.

A Saúde global identificou como importante o vínculo entre a saúde e o ambiente em que vivemos, da água que bebemos, ao ar que respiramos, aos alimentos que cultivamos e comemos. De maneira que, mais de três milhões de crianças menores de cinco anos morrem todos os anos por causas relacionadas ao ambiente, como ar poluído no interior e exterior, água contaminada e falta de saneamento adequado. Os programas e iniciativas da OMS sobre água e saneamento, doenças transmitidas por vectores, poluição atmosférica interna, segurança química, transporte, radiação ultravioleta, nutrição, saúde ocupacional, segurança alimentar e prevenção de feridas abordam questões críticas para melhorar a saúde ambiental.

Este programa divide-se em duas grandes áreas relacionadas: a saúde ambiental (SA) e a saúde do trabalhador (ST), por forma a desenvolver plataformas tecnológicas de alerta, resposta, pesquisa e ensino de modo a subsidiar as políticas públicas. Neste contexto, as prioridades de pesquisa incluem a capacidade nacional para notificação, pesquisa e diagnóstico laboratorial de intoxicações; a avaliação do impacto das mudanças climáticas na saúde, incluindo os desastres naturais; estruturação de plataformas de vigilância de doenças sensíveis as alterações ambientais, incluindo as climáticas; avaliação do impacto das transformações ambientais de origem económico-social na saúde, incluindo a urbanização, plantações agroindustriais e projectos de mineração; avaliação da situação de saúde de trabalhadores na extração mineira; avaliação da siatuação de saúde do funcionário público; e a implementação de Curricula de pós-graduação com foco na temática de saúde e ambiente.

Decorre actualmente a avaliação do impacto das mudanças climáticas na saúde, no qual se faz a vigilância de base sentinela de doenças diarréicas, malária, dengue, febre o vale do Rift, Chikungunya (a vigilância da leptospirose e malnutrição ainda está por iniciar) nos distritos de Caia (Sofala) e cidade de Pemba (Cabo Delgado). Por iniciar brevemente, a avaliação da situação de saúde dos trabalhadores na extração mineira em distritos das províncias de Manica e Niassa; e a avaliação do impacto da introdução de uma método alternativo ao mercúrio na extração do ouro em Cabo Delgado.

A equipa do PSAT é composta por 3 médicas (1 a tempo inteiro e 2 a tempo parcial) e 1 geógrafo (a tempo parcial). Tem projectos de colaboração com instituições parceiras no país como a Medicus Mundi e fora do país na Suíça (Swiss Tropical and Public Health Institute), para a componente da saúde do trabalhador. Por outro lado, conta com parcerias no país de organizações não-governamentais como a USAID, CHAI e Chemonics para a componente de Saúde e Ambiente.