INS na Reunião de Bellagio

De 21 a 25 de Novembro, o Instituto Nacional de Saúde (INS) e um grupo de 20 especialistas em saúde pública reuniu-se em Bellagio, Milão, Itália, para desenvolver mecanismos com vista a apoiar o fortalecimento das Funções Essenciais de Saúde Pública (FESP) como forma de contribuir para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. As instituições e participantes incluíram a liderança da OMS, nomeadamente o Director Regional do Regional Office for the Eastern Mediterranean (EMRO), e a Aliança para as Políticas e Sistemas de Saúde sediada na Organização Mindial de Saúde (OMS), o Centros de Controle e Prevenção de Doenças  (CDC), a Agência Norte Americana Para o Desenvolvimento Internacional (USAID), a Associação Internacional de Institutos Nacionais de Saúde Pública (IANPHI), a Universidade Johns Hopkins, a Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz), a Universidade de Makerere e funcionários dos Ministérios da Saúde de Moçambique, Índia, Sri Lanka e Qatar. 

Com os resultados obtidos nesta reunião tem por objectivo ajudar os Ministérios da Saúde, Organizações Não Governamentais ONGs e parceiros de desenvolvimento em todo o mundo a colocarem em prática a Resolução 69.1 da Assembleia Mundial da Saúde (World Health Assembly Resolution 69.1), acordada em concenso em Maio de 2016, o qual solicita aos Estados membros e organizações internacionais ase engajarem no sentido de melhorar o desempenho das Funções Essenciais de Saúde Pública, a nível Nacional, Provincial e local.
No encontro foram  desenvolvidos estudos de caso, ferramentas e instrumentos e abordagens actualizadas para a medição de desempenho das FESP, alinhando uma abordagem contínua de melhoria de qualidade que enfatiza capacitação das comunidades locais para actuar sobre problemas de saúde. Foram partilhadas e desenhadas boas práticas e protocolos para supervisão de apoio para sustentar a prática de saúde pública altamente eficaz nos sistemas de saúde.
Foi produzida uma lista de comunicações acedíveis por via do YouTube (playlist of lectures) e uma biblioteca de documentação de experiências práticas, listas de verificação e métodos de medição das FESP, incluindo a experiencia de Moçambique, por via do INS.
Mais tarde este ano, o grupo lançará um White Paper que oferecerá um guia para uso das FESP por agências de saúde pública, ministérios, parceiros de desenvolvimento e profissionais, com orientação sobre o fortalecimento da prática de saúde pública. A conferência contou com o apoio da Fundação Rockefeller, da Aliança para as Políticas de Saúde e da Pesquisa de Sistemas da OMS e do consórcio Future Health Systems, apoiado pelo Departamento Britânico Para o Desenvolvimento Internacional (DFID).